Allez au contenu, Allez à la navigation, Allez à la recherche, Change language

  • Applications

Página inicial > O dia-a-dia

O Diário 2010

16 de Maio
  • Actualités
  • Vidéos
  • Photos
  • Audios

L'Autre monde de Gilles Marchand

Dia 16.05.2010 às 12:00 AM - Updated on 22.05.2010 at 11:50 AM

 

Argumentista e realizador francês, Gilles Marchand apresenta a sua segunda longa-metragem em Cannes, na Sessão da meia-noite.
 
O seu primeiro filme, Qui a tué Bambi foi apresentado Fora da Competição em 2003.

Em l’Autre monde, explora o mundo dos jogos de vídeo, uma temática igualmente abordada em RU There? e Chatroom. Entrevista exclusiva.

Dois filmes, dois filmes fora da competição em Cannes… Os seus filmes são demasiado atípicos para a competição?
Talvez não deva dizer isso porque um realizador deveria desejar estar na Competição, mas acho que isso tem a ver comigo e que tem a ver com o filme, de certa forma. Algo de um pouco atípico, talvez, ou de festivo à maneira do cinema, trémulo também… De qualquer forma, gosto muito deste lugar da sessão da meia-noite, para mim está bom.

Gosta de jogos de vídeo?
Não sou um verdadeiro “gamer”. Mas ao jogar, tive sensações e achei que era interessante explorá-las. Os universos virtuais e as redes sociais dizem muitas coisas sobre os nossos desejos, os nossos medos. Para mim, nos jogos, há uma experimentação da vida, um pouco como no cinema. Aos 20 anos, passava o tempo em salas escuras para ver coisas por vezes sombrias e duras, embora vivesse em Marselha num mundo feliz e luminoso.

Como é que articulou o mundo real e o mundo virtual?
O mundo virtual é realizado em animação, mas está absolutamente integrado na narração. A personagem de Gaspard encontra-se entre dois mundos porque está entre duas mulheres. Enquanto se embrenha numa história, fica perturbado com outra mulher, a qual acha que evolui num jogo em rede, e utiliza este meio para a abordar. É tão natural como um telefonema.

Dominik Moll (Harry, um amigo ao seu dispor) é ao mesmo tempo co-argumentista e conselheiro da encenação.  Qual o papel dele nas filmagens?
Essencial. Eu e ele tínhamos um bocado o mesmo lugar nos filmes do outro, mas contribuímos com coisas diferentes. Aqui, onde ele contribui mais, é com o corte, o lugar da câmara. Uma das dificuldades da posição do realizador é estar face a uma equipa que está à espera. O facto de falar abertamente sobre questões de encenação no estúdio, primeiro relaxa-me (risos) e alimenta também o resto da equipa. Com Djibril Glissant, que realizou as sequências de animação, também dialogávamos muito. Por vezes, dizia a mim mesmo: "não sei fazer mais nada senão falar às pessoas", mas isso é já alguma coisa...

Tem vontade de continuar a ser ao mesmo tempo argumentista e realizador?
Sim, tenho um enorme prazer em trabalhar nos projectos dos outros. Quando fazemos os nossos próprios filmes, visitamo-nos a nós mesmos e tocamos forçosamente nos nossos limites. Para mim, na visita dos universos dos outros, existe algo de extremamente enriquecedor e excitante. Nos meus próprios projectos, existe algo de mais doloroso, ainda que eu tenha prazer nisso.

Conversa recolhida por B. de M



 

Escolher um ano

No dia-a-dia

      1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31

Nous suivre